Páginas

04 abril 2014

5 coisas que Aikido pode ensinar sobre aprender Inglês

Por |
Já treinei algumas artes marciais e nenhuma delas me deixou apaixonada como o Aikido. Treinei preguiçosamente durante algum tempo, mas a partir do momento que comecei a me dedicar com afinco, aprendi ensinamentos em poucos meses de tatame que tem muito em comum com aprender inglês. Não se engane, os erros que comento aqui já foram cometidos por mim, várias vezes.

kote gaeshi
- Perfeccionismo imediato. Quando você começa a aprender artes marciais, você não entra no tatame esperando executar as técnicas, mas é exatamente assim que age grande parte dos meus alunos. Eles tem uma aula sobre determinado assunto e querem saber o usar aquilo imediatamente! Se eu aprendo uma forma de kote gaeshi agora, hoje em dia eu só tento executar o que eu vi. Da mesma forma, não dá pra usar corretamente o vocabulário de partes do corpo mais adjetivos e a estrutura do simple present em terceira pessoa tudo de uma vez se você acabou de aprender tudo isso e não querer cometer erros. Repetição leva a perfeição. Clichê batidíssimo para praticantes, mas nem tão claro assim para outros estudantes. Sorry, mas ao fazer somente uma vez, você não vai aprender automaticamente, você não é o Neo e eu não tenho um chip para seu cérebro. Repetir suburi várias vezes me mostrou que é preciso reforçar o conhecimento; no tatame, no corpo e em aula, na mente. 
suburi

- Lidar com erros. Certamente eu poderia focar tudo que aprendi no Aikido somente aqui, mas vou me ater a dois pontos, este e o próximo tópico. Meus alunos geralmente perdem um tem enorme quando erram, não pelo erro em si, mas pelo comportamento a seguir: “Droga, fiz de novo”, “Por que não aprendo isso?”, etc. Eu faço EXATAMENTE a mesma coisa quando erro um irimi pela quinquagésima vez. Mas depois de observar meus alunos, aprendi a não gastar tempo e energia com esse auto-julgamento desnecessário que te traumatiza para a técnica/gramática. Errou? Repita e corrija.

irimi nage
- Seja menos orgulhoso. Algumas pessoas (como esta que vos escreve) não sabem como serem corrigidas. Eu aprendo isso cada vez que estou chorando e mesmo assim me submeto á técnica, de cara no tatame tomando ikkyos doloridos. Não existe “não gosto de ser corrigido” no Aikido. Se você não se dobra, a técnica te dobra. Claro que não posso fazer isso com meu alunos (hehehe), mas é uma lição valiosa de como deixar o orgulho de lado. Quando você é aprendiz, não é necessário ser submisso ao professor, mas é preciso aprender com ele, já que este é seu objetivo de qualquer forma.

- Faça com coração. Já perdi as contas de quantas vezes ouvi e li de várias formas “faça tudo com toda a sua atenção e tudo será divino”. Pergunto: quantas vezes você já estudou com toda a sua concentração? E quantas vezes você fez algo meia-boca? Eu também, oras. Mas quando estou só cumprimentando sensei ou tentando andar em suwari waza, tento usar todo meu foco. Ás vezes meus alunos perguntam algo em português por simples preguiça. Eu digo para que se esforcem e tentem em inglês, especialmente se é algo que já sabem. Quando um aluno fala em português por que “é mais fácil” e “eu não sei falar inglês”, não está usando todo seu potencial por desleixo.
É mais difícil do que parece...


- Finalmente: Não desista! Eu já quis não voltar mais aos treinos muitas vezes. Já me senti inadequada e burra. Já achei que era incapaz de aprender ao voltar para casa muitas vezes com o mesmo hematoma. Assim, eu sei qual é o sentimento dos meus alunos quando eles olham para mim de forma desanimada ao tentar responder uma pergunta. Infelizmente, nós adultos não sabemos sair da zona de conforto com facilidade e aceitar que ás vezes não somos “tudo aquilo” em outras áreas. Mas se soubermos nos curvar a nossa própria inabilidade, podemos ser melhores, sempre. Por isso eu não desisto do meu treino, e peço, por favor, não desista do seu sonho de falar inglês.

Referências:

16 fevereiro 2014

Morar com amigos AKA república

Por |
Uma das maiores dúvidas quando a gente chegar na faculdade é se vale a pena morar com amigos, estilo república, essa é uma experiência que pode ser mágica ou um pesadelo traumatizante, então alguns cuidados são sempre válidos e as dicas do post sobre morar sozinho valem para este post também.


Você já está na cidade há alguns dias, cansou da hospitalidade alheia e quer chamar um lugar de seu; vale a pena sair procurando pelos murais da facul, no facebook, com amigos ou no próprio curso e se instalar em repúblicas já montadas, mas antes pense:

1- Quanto você pode gastar por mês (em contas: aluguel, água, luz, telefone/internet e se terá empregada ou não)
2- Com quantas pessoas você pensa em morar (só mais 1 ou até 10?)
3- Aonde você quer morar (mais perto da faculdade=aluguel mais caro e provavelmente mais perigoso, porque todo mundo sabe que só tem estudantes ou mais longe=mais barato)
4- Com que tipo de pessoas você quer morar (homens ou mulheres, os 2, fumantes, baladeiros, etc)

Essas 4 perguntinhas podem evitar dores de cabeça enormes, porque você já consegue definir o que vale a pena visitar só de olhar para a descrição do cartaz e não perde seu tempo indo à lugares que não tem a ver com você. É claro que vale a pena ser flexível, por exemplo mesmo não cogitando a possibilidade, eu morei por 5 anos em república masculina e foi melhor do que na feminina, fui bastante mimada e fiz 2 grandes amigos - além do marido, mas isso é outra estória...rs.

Ok, você já tem uma casa, que ótimo! Preste atenção ás regras da casa sobre limpeza, festas e horários de estudo. Sua casa não tem isso? Bom, talvez não seja um problema, mas acredite, organização ajuda a evitar desgastes desnecessários e não pesa na responsabilidade de cada um. Claro que ninguém vai chegar chegando, mas dê idéias sobre isso e se ninguém te levar a sério, talvez não seja seu lugar ideal...


Sabe aquela estória de "amor se constrói"? Pois é, morar junto é construir uma relação com várias pessoas e 2 coisas são importantes: respeito e bom senso. Lembre que ninguém é da sua família e por isso, não espere nada das outras pessoas, algumas brincadeiras podem ser levadas a sério e causar desconforto, então resolva mau-entendidos o mais rápido possível e sempre vá conversar ao se sentir ofendido(a) porque é muito ruim conviver com uma pessoa e sentir mágoa dela, além disso, fofocas e afins desestabilizam a casa e promovem brigas estúpidas. Ás vezes coisas como alguém pegar sua jaqueta emprestada, chegar bêbado(a) e vomitar no sofá ou trazer o(a) namorado(a) para dormir no quarto com vocês podem criar situações medonhas...

Existem dois motivos fortes para uma república acabar: conflitos mau-resolvidos e problemas por causa de dinheiro (como um casamento..rs). Ao entrar na sua casa nova, preste atenção a divisão de contas, uma dica é cada um ficar responsável por pagar uma conta e recolher o dinheiro de todos no dia certo. A conta de telefone costuma causar problemas devido às ligações sem dono, para resolver isso é interessante ter um plano de ligaçoes locais com vários minutos e usar o skype/msn para interurbano e celular. Além disso, é sempre bom verificar se as compras de comida são separadas ou conjuntas e se todos podem pegar o que tiver na geladeira. A dica é deixar uma prateleira somente para o que tiver que ser separado (tanto no armário quanto na geladeira). Quando você for visitar sua futura república, pode perguntar tudo isso aos moradores, eles querem te conhecer, mas você também quer saber quem eles são e o melhor jeito é perguntar tudo, inclusive se a casa tem alguma multa caso você saia ou alguma tipo de regra (como trazer um novo morador, ou algo do gênero).

"Ah, já testei várias repúblicas, mas não deu certo, quero montar a minha." Ok, se você já mora na cidade há alguns meses e conhece bons lugares para morar (do contrário, é possível entrar numa fria). O melhor período pra procurar casa é fora da entrada de novos alunos - época em que as imobiliárias ganham mais - você pode ficar sem "aquela" casa, mas pelo menos vai pagar um aluguel justo. Algumas imobiliárias aceitam locar sem fiador (uma pessoa que já tenha um imóvel para garantir o pagamento caso você dê o calote rs), mas a maioria ainda pede, especialmente para estudantes, então já pense quem será o seu e não aceite contratos longos porque você nunca tem certeza de que todo mundo ficará na casa. Se você já tem os amigos certos pra morar, por que não colocar uma conta em nome de cada um? Assim não pesa para ninguém.

Pra finalizar, uma coisa que aprendi com o tempo foi que pode parecer ótimo uma casa bagunçada com 15 moradores mais agregados ocasionais, mas se você já é bixo/bixa, tanta balada pode cansar e a coisa mais terrível é você não ter um lugar no qual você se sinta confortável. O lugar q você pode se sentir livre, se esconder do mundo, pensar no travesseiro ou transar com você mesmo, né...Por isso preste atenção nas pessoas com os quais você vai morar, vocês podem ser diferentes, mas não podem interferir no espaço e liberdade do outro. Hoje eu acho que o ideal é cada um ter seu quarto, pois é um lugar pessoal no qual você se sentirá em casa mesmo nos dias de cólicas, estresse pré-provas, home-sickness e depressão pós-fiquei-bêbada-e-beijei-um-estranho-na-balada; mas caso seu orçamento não permita, preste atenção para dar espaço ao seu roommate e vá tomar ar fresco de vez em quando. 

picture 1
picture 2
picture 3




06 fevereiro 2014

Morar sozinho

Por |
Oi pessoal! Continuando com os posts sobre sair de casa, hoje o assunto é morar sozinho.
Quando a gente passa no vestibular, a primeira opção que passa pela cabeça (exceto nos casos que a pessoa já está pensando nas baladas...rs) é sempre morar sozinho; seja por medo do "desconhecido", de sair de casa ou de gente que você nunca viu mais gordo dividir um quarto com você.



Morar by yourself permite uma liberdade infinita (limitada por seu vizinho de apto ou casa, claro) pois de repente você não tem mais seus pais na sua cola, nem irmãos pegando suas coisas e muito menos desconhecidos em sua casa. Você pode andar nu, de toalha, com uma folha de couve amarrada nas pernas; pode deixar a porta do banheiro aberta, dormir na sacada, ouvir ópera de madrugada, tocar bateria...não tem ninguém para te incomodar!
Você pode ter seus animaizinhos (mesmo que sejam iguanas, aranhas e cobras), seus tiques e manias (mesmo que você tenha um TOC absurdo e goste de meditar de ponta cabeça na lua minguante), e suas coisas sempre estarão no lugar onde vocês as coloca (isso inclui não saber aonde você as põe), o que me leva aos contras.


Você pode achar ótimo que ninguém coma seu pedaço de pizza guardado para o dia seguinte, mas também pode achar desconfortável ver que acabou o leite e você esqueceu de comprar ou pior, o papel higiênico! Talvez você goste da ideia de mandar todo mundo embora e ficar sozinho no fim do dia, porém o silêncio pode ser bastante enlouquecedor se você vem de uma família grande. Pode ser que você não tenha paciência para gente querendo invadir seu espaço enquanto você quer estudar, no entanto, pode ser que você se sinta doente e não tenha ninguém para cuidar de você. Saber que a bagunça é toda sua e somente você terá que limpar talvez seja mais consolador do que limpar bagunça alheia, contudo podem haver dias que você não gostaria de lavar louça e ao chegar em casa, a pia já está limpa.


Dá pra perceber que na verdade todos os prós podem ser ao mesmo tempo, contras, então a única coisa que considero um contra de verdade é o valor. Morar só é caro! Em qualquer cidade (a não ser casos raros) o aluguel de uma kitnete perto da faculdade é parecido com o de uma casa de 2 quartos em outro bairro, além disso você terá que arcar com todas as contas cuja existência você nem conhecia quando morava com seus pais (água, energia, telefone, internet, gás, reparos ocasionais, supermercado, etc). Por fim, se você não conseguir um lugar mobiliado, alguns móveis simples - e usados - como fogão, cama, sofá, geladeira e armário podem sair bem caros; nesse caso vale pedir doação de móveis e eletrodomésticos pela família e com amigos. Caso você tenha vergonha disso, lembre-se que você acabou de entrar na categoria de estudante e economizar em tudo é fundamental!

Para finalizar, se você tem dinheiro, ótimo! Seus pais podem pagar tudo e você ficará confortavelmente instalado(a) em um mundinho igual ao que você tem em casa. Caso você faça parte da grande maioria do país e seus genitores tem que batalhar para te manter na faculdade, provavelmente você não conseguirá morar sozinho, mas que tal dar uma força e de quebra crescer absurdamente com as situações de morar com outras pessoas? Vai que você gosta...veja o post da semana que vem.


Imagens: 
figura1
figura 2
figura3 

30 janeiro 2014

Passei no vestibular, e agora?

Por |
Coração bate forte ao olhar as listas, ver seu nome é uma emoção indescritível e você já começa a comemoração com familiares e amigos. O próximo passo geralmente são as dúvidas: onde vou morar, como vou fazer, como vou para faculdade, etc. 

Primeiro: parabéns! Segundo, calma, pois são muitas coisas novas ao mesmo tempo. O primeiro passo é ir fazer a matrícula (não esqueça de pegar o seu histórico escolar do ensino médio, todas pedem e todo mundo esquece) e aí temos duas situações: nos casos em que o lugar é muito longe, tem pessoas que vão para a matrícula de "mala e cuia"; nesse caso, vale procurar o alojamento e pedir abrigo (eles estão preparados para esses casos). Por favor, não façam como meu amigo Gabe que foi para outro estado e teve que dormir literalmente na praça até achar o alojamento da faculdade! Quem pode voltar para casa para se organizar, pode aproveitar para passear pela cidade, se localizar, etc.

Na hora de se mudar mesmo, lembre: Informação primeiro, sempre! Procure o máximo de informações possível, e não vá fechando contratos ou afins sem antes conhecer bem a cidade, o clima, os habitantes, a faculdade, seu curso, etc. Vale a pena pesquisar muito, entrar em contato com quem já mora, conhecidos e amigos de conhecidos, procurar veteranos no facebook, e outros. É comum os pais levarem os filhos à nova cidade e já saírem fazendo o possível para que seu “bebê” fique devidamente instalado. Se você tem dinheiro para isso, ótimo. Mas na maioria das vezes, é melhor passar algum tempo “à deriva” (ainda que deixe seus pais loucos) do que entrar em um aluguel de 3 anos imediatamente. Se você não gosta de bagunça, melhor procurar apart-hóteis, flats ou pensões que você possa acertar por um período fechado, mas de curta duração.

Ao fazer as malas, não esqueça alguns itens básicos de higiene (pode demorar para você achar um supermercado), veja se você precisa de um colchonete e esqueça a timidez e o orgulho em casa, no começo você vai precisar de ajuda, não tenha vergonha de perguntar, a maioria dos veteranos não está lá só para o trote e vão te ajudar com prazer. Protetor solar e um sorriso vão te levar longe. Boa sorte!

Bons sites para pesquisar: easyquarto - quartos para alugar por dias ou meses, repúblicas, etc
couchsurfing - peça um sofá alheio
dividoapartamento - a maioria em sampa


Conhece mais sites? Deixe um comentário!

A série de 8 textos sobre vestibular foi escrita para um blog adolescente a pedidos, porém nunca foi utilizada e eu achei que seria uma pena, vai que alguém se beneficia...
 
fotos: http://2.bp.blogspot.com/-7Tikk9bxbPE/ToxgwLgjNKI/AAAAAAAAABw/DQNerA3xafo/s1600/lista.vestibular.jpg
http://4.bp.blogspot.com/-DQM57T-1ff0/Toxgwb60KYI/AAAAAAAAAB4/ZeobhcX6tYs/s1600/passei-vestibular.jpg